×

Este website utiliza cookies. Ao utilizar este website, você está aceitando nossa Política de Privacidade.

Mitos e fatos sobre as endotoxinas bacterianas

9th June 2014

Mitos e fatos sobre as endotoxinas bacterianasDesde as primeiras observações microscópicas feitas por Antonie van Leeuwenhoek sobre a flora da cavidade bucal há cerca de 300 anos até o presente momento.

O conhecimento da presença, características e interrelações da flora residente nos seres vivos se enriquece de forma constante e permanente.

Desta forma, verificou-se que os microrganismos, principalmente as bactérias, são onipresentes em todos os habitats e são reconhecidos por sua capacidade de transformação metabólica extraordinária e posterior produção de compostos bioativos, incluindo as toxinas.

As toxinas são, na verdade, as substâncias que são produzidas em alterações metabólicas típicas do crescimento bacteriano, o qual, neste caso, pode ser considerado como sendo capaz de provocar doenças nocivas e mesmo mortes em outros organismos vivos. Descobrimos que um organismo é capaz de produzir mais do que um tipo de toxina, ao mesmo tempo.

Estes produtos metabólicos tóxicos são parte da natureza, e em muitos casos, são os mecanismos de defesa inerentemente incluídos na estratégia de sobrevivência das bactérias produtoras de bioativo. Na verdade, podemos considerar que as toxinas são, afinal, um resultado da evolução e, portanto, devem ser consideradas como vantagens na presença um organismo em particular.

E é o fato que ocorre quando nos deparamos com a simbiose. Diante disso, no caso particular das bactérias, como é a relação estabelecida entre a flora específica e seu hospedeiro. E assim a encontramos na flora intestinal que foi modificada no processo de adaptação ambiental permanentemente evoluído ao longo de milhões de anos, se expressando como o que hoje reconhecemos como a microbiota intestinal. Esta é afetada por características do hospedeiro, genética, mecanismo de defesa imunológica que transcende o habitat intestinal anfitrião ao apresentar uma resposta sistêmica.

Isto leva a alguns autores como Curtis e seus colaboradores considerarem que a microbiota humana apresenta uma intensa atividade metabólica que influencia decisivamente a saúde do trato gastrointestinal e da nossa susceptibilidade às doenças.

Concentre-se, por exemplo, na cavidade oral, Segundo Kiran et al, um mililitro de saliva humano contém cerca de 100 milhões de bactérias, o que significa que, 750ml diária de saliva pode ser considerado, dentro de 24 horas, desprender 8X10¹º de bactérias, o equivalente a 5 a 10 g. em peso seco de bactérias. O interessante é que elas vêm de fontes diferentes e variadas, tornando sua composição extraordinariamente diversa e funções no fisiologismo da boca humana, sem desprezar sua estrutura anatômica complexa.

Outro exemplo, nesta linha de raciocínio, é a pele, que é considerada o maior órgão humano. Como a pele está em contato direto com o meio ambiente, ela está constantemente exposta a micro-organismos ambientais. A microbiota residente na pele interage com outros micróbios, com células humanas, e com o sistema imunológico humano nas várias formas envolvidas em criar um risco de causar doença.

Claro, estamos expostos a um equilíbrio dinâmico, porque a microbiota está em um processo contínuo que se modula em algum ponto do espectro entre a simbiose e a patogenicidade.

Assim, vemos que na microbiota intestinal há estirpes patogênicas de Escherichia coli, Salmonella spp., Vibrio cholera, com a presença de lipopolissacarídeos (LPS), como uma parte da membrana exterior das bactérias Gram-negativas, e os efeitos conhecidos em causar disfunção gastrointestinal. Admite-se que o LPS provoca febre em mamíferos e está envolvida na síndrome do choque séptico. Agentes patogênicos também conhecidos, tais como Escherichia coli, Campylobacter spp., Legionella pneumophila são contaminantes da água e têm sido descritos como produtores de toxinas emergentes. Outras bactérias associadas com ambientes aquáticos estão emergindo como produtoras de toxinas, estamos nos referindo à Legionella pneumophila e Aeromonas hydrophila, descritas como responsáveis pela síntese de exotoxinas, enterotoxinas e citotoxinas.

Bactérias associadas com ambientes aquáticos são reconhecidas como produtores de toxinas, o que é um problema essencial na segurança alimentar, saúde pública, animal e humano. O ambiente aquático e a qualidade da água são elementos essenciais a serem considerados para descartar a presença de toxinas, como lipopolissacarídeos.

E isso é uma realidade. A saúde afetada dos seres humanos, a partir desses LPS, produtos tóxicos do metabolismo bacteriano, levam à necessidade de determinar sua presença contando com o suporte dos reagentes no Kit de 4 PYROSTAR™ ES-F (5.2 ML) com endotoxina padrão de controle (CSE) e o equipamento adequado Toxinômetro™ ET-6000. Conte com o apoio técnico da Wako, uma prestigiada empresa especializada na determinação da LPS através da técnica de LAL.

NOSSOS PRODUTOS LAL

Kit de 100 PYROSTAR™ ES-F ( 5,2 mL) (sem CPE)

 Bio Clean Tip Wako Series  Controle Padrão de Endotoxina (CPE)
Kit de 100 PYROSTAR™ ES-F Bio Clean Tip Wako Series Controle Padrão de Endotoxina

Lisa
Por: Lisa Komski Em: Kit LAL