×

Este website utiliza cookies. Ao utilizar este website, você está aceitando nossa Política de Privacidade.

A contaminação biliar ou Bacteriobilia, um fator de risco nas complicações pós-cirúrgicas

5th April 2017

Contaminação Biliar causada por  Bactérias Gram-negativasAs endotoxinas bacterianas, como já foi discutido em revisões anteriores, constituem a porção lipídica da molécula de lipopolissacarídeo, que forma a membrana exterior da célula bacteriana gram-negativa, e são um importante fator de patogenicidade do microrganismo. Responsáveis por doenças potencialmente fatais, como a cólera e tosse convulsa, entre outros, e de sintomas patológicos que variam de calafrios e febre ao choque irreversível e morte. Além disso, elas formam um escudo rígido nas bactérias que as carregam, inibindo a ação de muitos dos antibióticos utilizados para combater a infecção.

Neste artigo, vamos comentar sobre a contaminação de micro-organismos, principalmente bactérias gram-negativas, no ducto biliar, conhecido como bacteriobilia, um fator de risco bem conhecido para complicações pós-cirúrgicas dos procedimentos biliares/pancreáticos.

A bile é uma substância líquida secretada pelos hepatócitos, composta por água, sais biliares, bilirrubina, colesterol, fosfolipídeos e eletrólitos. Funciona como uma via de excreção para eliminar a bilirrubina e outros produtos residuais, além de promover a digestão e absorção de gorduras no intestino. Vários mecanismos anatômicas e fisiológicos permitem que o ducto biliar seja normalmente estéril. O próprio fluxo biliar favorece a esterilidade devido aos componentes, como sais biliares, que são bacteriostáticos e também limitam a translocação de endotoxinas bacterianas.

Enquanto os microrganismos mais frequentemente isolados na bile são gram-negativos, sendo E. coli o mais frequente, cabe destacar a importância de bactérias formadoras de ácido láctico como Enterococcus spp., especialmente nos caso de obstrução do ducto biliar e transplante hepático.

TAMBÉM PODE LHE INTERESSAR: Bactérias Gram-negativas: as infecções oportunistas em pacientes com HIV/AIDS

Estudos sobre os fatores de risco para o desenvolvimento de bacteriobilia são heterogêneos e altamente controversos. Enquanto alguns autores não encontraram uma associação significativa, outros têm encontrado relação de alguns fatores envolvidos, como a manipulação do ducto biliar antes da cirurgia pancreática, a litíase biliar, história de doença coronariana, e outros como o sexo masculino ou idade avançada. Foi até mesmo sugerido que o elevado índice de massa corporal possa ser um fator protetor no desenvolvimento de infecções biliares.

A bacteriobilia continua a ser um problema não resolvido. Alguns estudos a colocam como um candidato valioso, que pode fornecer informação prognóstica, especialmente no contexto da cirurgia pancreática, enquanto outros lançam dúvidas sobre se a presença de bacteriobilia tem um impacto sobre a má evolução da doença biliar ou dos procedimentos cirúrgicos e nas taxas de mortalidade.

O debate discorre entre a conveniência de realizar o tratamento precoce, pelo menos em determinados grupos de risco em que o desenvolvimento de uma infecção pode ter consequências desagradáveis, e o benefício de modificar a profilaxia cirúrgica, dependendo do tipo de microrganismo anteriormente isolado.

Por enquanto, a controvérsia sobre a melhor abordagem, tanto diagnóstica como terapêutica, em relação ao risco de infecção continua aberta, porque não existem recomendações específicas para a cobertura antimicrobiana peri-operatória para os procedimentos biliares/pancreáticos.

No entanto, a Empresa Wako poderá contribuir para as pesquisas que se desenvolvem sobre este polêmico assunto. A marca PYROSTAR™ da Wako, oferece reagentes e equipamentos especializados para a detecção, quantificação e extração de endotoxina bacteriana.

O lisado de amebócito limulus (LAL) é o método mais sensível utilizado atualmente para a determinação de endotoxinas bacterianas. A Wako desenvolveu um teste único de endotoxina LAL, que pode ser usado tanto como um ensaio turbidimétrico quantitativo (ECT) ou como um teste qualitativo de gel.

A série PYROSTAR™ ES-F é uma nova preparação de LAL, onde foi co-liofilizado o curdlan carboximetilado (CMC) com LAL, resultando em um reagente LAL específico para endotoxina para sua determinação sem interferência de glicanos na amostra. PYROSTAR™ ES-F conta com vários kits para a detecção LAL de endotoxina com uma escala quantitativa de 0,01 a 10 UE/ml no ECT.

Além disso, a série conta com o kit PYROSTAR™ ES-F/Placa, projetado para a detecção quantitativa de endotoxina por ensaio ECT utilizando um leitor de microplacas ao invés do Toxinometer. O kit contém 4 frascos multi-testes (2,0 ml) com uma sensibilidade de 0,015 EU/ml e 1 frasco de CPE.

A empresa Wako adverte que estes testes não constituem um dispositivo de diagnóstico e não devem ser usados para determinar os níveis de endotoxina em seres humanos para esta finalidade.

Bibliografia:

1) Armiñanzas, C., Herrera, L., & Fariñas, M. (2016). Bacteriobilia: un problema sin resolver. Revista Española de Quimioterapia, 29(3), 113-118.

2) Armiñanzas, C., Tigera, T., Ferrer, D., Calvo, J., Herrera, L., Pajarón, M., et al. (2016). Papel de la bacteriobilia en las complicaciones postoperatorias. Revista Española de Quimioterapia, 29(3), 123-129.

3) Bang, C. S., Yoon, J. H., Kim, Y. J., Kim, J. B., Baik, G. H., Suk, K. T., et al. (2014). Clinical impact of body mass index on bactibilia and bacteremia. BMC gastroenterology, 14(1), 104.

4) Fathi, A. H., Jackson, T., Barati, M., Eghbalieh, B., Siegel, K. A., & Siegel, C. T. (2016). Extended Perioperative Antibiotic Coverage in Conjunction with Intraoperative Bile Cultures Decreases Infectious Complications after Pancreaticoduodenectomy. HPB Surgery, 2016.

5) Mohammed, S., Evans, C., VanBuren, G., Hodges, S. E., Silberfein, E., Artinyan, A., et al. (2014). Treatment of bacteriobilia decreases wound infection rates after pancreaticoduodenectomy. HPB, 16(6), 592-598.

6) Rietschel, E. T. (1992). Endotoxinas bacterianas. Investigacion y ciencia, 193, 16-24.

REAGENTES LAL:

Teste de Limulus PS Wako PYROSTAR ES-F Único Teste Vial Limulus Color KY Series
Teste de Limulus PS Wako PYROSTAR™ ES-F Único Teste Vial Limulus Color KY Series

Lisa
Por: Lisa Komski Em: Kit LAL