x

Este website utiliza cookies. Ao utilizar este website, você está aceitando nossa Política de Privacidade.

Interferentes no ensaio de LAL

28th July 2015

Interferentes no ensaio de LALO teste de lisado de amebócitos de Limulus, conhecido como LAL, serve para determinar a presença de endotoxinas bacterianas vindas da parede celular das bactérias Gram-negativas. O teste de LAL é feito desde a descoberta, há mais de seis décadas, em que o sangue do caranguejo ferradura, Limulus Polyphemus, se coagula na presença das endotoxinas bacterianas. Os lipopolissacarídeos que são as espécies químicas consideradas tóxicas ao ocorrer a lise celular das bactérias Gram-negativas, ativam uma série de reações em cascata que são produzidas na hemofilia do caranguejo ferradura, provocando finalmente uma turbidez na amostra; sendo este o sinal analítico para desenvolvimento do ensaio de LAL.

No entanto, existem outros fatores que provocam o aparecimento de turbidez em uma amostra que contém um lisado de amebócitos de Limulus, ou porque ativam a mesma série de reações que as endotoxinas ou porque causam a formação da coagulina, proteína que causa a formação do gel, que faz com que apareça a turbidez na solução, ao sofrer o processo de coagulação.

Entre os fatores que interferem na detecção de endotoxinas pelo teste de LAL, podemos citar:

  • O pH, que deve ficar entre 6,4 e 8. No caso de serem usados testes comerciais, deve-se ler atenciosamente as indicações do fabricante e, embora na maioria dos casos já tenham alguma substância que age como tampão incluída, comprovar que o pH está entre os valores indicados.
  • A força iônica do meio também é um fator a ser considerado. Em soluções com alta concentração de íons ocorrem processos de agregação entre as moléculas de lipopolissacarídeos que fazem com que se determine uma quantidade de endotoxinas menor que a real.
  • Interferências devido à presença de substâncias orgânicas com propriedades quelantes ou anticoagulantes que impedem a formação de gel, indicativo da quantidade de endotoxinas. Um exemplo deste tipo de substância é a heparina.
  • Oxidantes ou outro tipo de compostos capazes de desnaturar as enzimas necessárias para que ocorra toda a cascata de reações que provocam a formação do gel de coagulina, ou qualquer substância que iniba a ação destas enzimas.
  • Interferentes que imitam a ação das endotoxinas como podem ser as serina proteasas, os (1→3)-ß-D-glucanos, os filtros celulósicos, entre outros.

MAIS SOBRE LAL: A determinação de endotoxinas bacterianas: Como evitar a contaminação das amostras durante a manipulação?

Nos casos em que o teste de LAL é feito usando o método de detecção cromogênico, qualquer fator que interfira na medição da cor da amostra também é considerado um interferente na análise. O mais comum nestes casos é que a amostra a analisar contenha algum composto colorido que seja absorvido na zona do espectro, e onde a banda de absorção tenha o corante usado na medição.

O teste que a Wako desenvolveu para fazer a determinação de endotoxinas pelo método colorimétrico é o Limulus Color KY, que é vendido como um kit para um único teste ou para múltiplos testes. Ele se baseia em um procedimento cinético cromogênico, em que o desenvolvimento da cor é proporcional à quantidade de endotoxinas presentes na amostra. A medição da cor pode ser feita com um leitor de placas ou um leitor de tubos, tendo como limite de detecção 0.0002 UE/mL (um teste único) y 0.0005 UE/mL (múltiplos testes).

A interferência das proteases e outras enzimas que a amostra contém pode ser eliminada mediante o aquecimento, e a dos (1→3)-ß-D-glucanos, pode-se combater estudando os contaminantes que causam a presença destes compostos na amostra para erradicá-los, ou mediante outros métodos.

Esta interferência acontece porque os (1→3)-ß-D-glucanos interagem com o fator enzimático G que intervém na cascata de reações para a formação do gel de coagulina.

Os testes vendidos pela Wako contêm glucanos adicionados, em forma de curdlan carboximetilado, na mistura de reagentes necessários para a análise. Ao adicionar o derivado de curdlan,o processo de gelificação fica insensível à presença de (1→3)-ß-D-glucanos, e esta característica é aproveitada nos kits da série Pyrostar para eliminar esta interferência.

Além dos kits para determinar a presença de endotoxinas pelos diferentes métodos, Wako vende uma série de acessórios e reagentes úteis para realizar estes ensaios, como são os tubos com tampa de alumínio (Limulus Test Tube-S with Aluminum Cap), a água destilada livre de endotoxinas ou a controle padrão de endotoxina (CPE).

Bibliografia:

1) Iwanaga S., Curr Opin Immunol., 5, 74-82, 1993.

2) Ketcchum PA, Parsonnet J, Stotts LS, Nocvitsky TJ, Scchlain B, Bates DW., J Endotox Res., 4(1), 9-16., 1997.

3) J. Kambayashi, M. Yokota, M. Sakon, E. Shiba, T. Kawasaki, T. Mori, M. Tsuchiya, H. Oishi, S. Matsuura, Journal of Biochemical and Biophysical Methods, 22, 2, 93-100, 1991.

ACESSÓRIOS E REAGENTS LAL

Teste de Limulus PS Wako pyrostar-es-f-unico-teste-vial Solución extractora de endotoxina
Teste de Limulus PS Wako PYROSTAR™ ES-F Único Teste Vial Solución extractora de endotoxina

Lisa
Por: Lisa Komski Em: Kit LAL